Meditação do Dia
Domingo, 30 de Agosto de 2015
Fazer bem, sentir bem

"Examinamos as nossas acções, reacções e motivos. Por vezes descobrimos que temos estado a fazer melhor do que nos temos sentido." Texto Básico, p. 49



A forma como tratamos os outros costuma revelar a forma como nos sentimos. Quando estamos em paz, é mais provável que tratemos os outros com respeito e compaixão. Contudo, quando não nos sentimos bem, é provável que respondamos aos outros com intolerância e impaciência. Quando fazemos um inventário regular, vamos provavelmente notar um padrão: tratamos mal os outros quando nos sentimos mal connosco próprios. Aquilo que, todavia, poderá não ser revelado num inventário é a outra face da moeda: quando tratamos bem os outros, sentimo-nos bem connosco próprios. Quando acrescentamos esta verdade positiva aos factos negativos que vamos descobrindo no nosso inventário, começamos a comportarmo-nos de forma diferente. Quando nos sentimos mal, podemos parar e rezar por orientação e força. Depois, tomamos uma decisão de tratar aqueles à nossa volta com carinho, gentileza, e a mesma preocupação que gostaríamos que nos fosse demonstrada. Uma decisão de se ser amável pode alimentar e manter a alegria e a paz de espírito que todos desejamos. E a alegria que inspiramos pode levantar os espíritos daqueles à nossa volta, por sua vez alimentando o nosso próprio bem-estar espiritual.


Só por hoje: Vou lembrar-me de que se mudar as minhas acções, os meus pensamentos segui-las-ão.

<< início <<


© Só por hoje - Meditações diárias para adictos em recuperação
ISBN 1-55776-426-3 Portuguese 2/03
Associação Portuguesa de Narcóticos Anónimos
Copyright (c) 2003, NA World Services, Inc. Reprinted by permission. All rights reserved